Paulo Furtado e Iara Teresa Titton

Paulo Furtado e Iara Teresa Titton
Espaço Jolie France

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Concurso de Oratória


Concurso de Oratória 1982
Colégio São Francisco
4º Lugar
Sonhando com um Brasil e um Mundo Melhor

O nosso mundo está muito conturbado cheio de violência, injustiças de toda espécie e outros atos imorais.
Eu, você, nós todos sempre procuramos, desejamos viver bem e em paz, sonhamos um dia em viver num mundo calmo, a onde as pessoas sejam irmãs, se respeitem umas as outras, onde não haja violência , assaltos, inflação, guerras, sede de poder, ganância, greves.
Eu imagino que o mundo um dia será um paraíso.
O mundo que imagino seria lindo com muitas arvores, matas que hoje em dia está se tornando uma raridade. Lá a árvores e matas não seriam desmatadas por pessoas que somente pensam no  dinheiro e se esquecem de preservar a natureza.
Neste paraíso não existiria poluição no ar, o céu seria azul, rios seriam limpos, os peixes seriam em abundancia, animais haveria de todas espécies.
O mundo de amanhã não seria como o mundo de hoje que há competições entre países. Não haveria guerras, as forças armadas não existiriam. Lá seria um mundo pacifico não seria como o mundo de hoje existem chefes de países que apelam para as armas e são amantes da guerra, gostam de ver patriotas morrerem por sua pátria a vezes inutilmente.
As vezes jovens de 16,17 e 18 anos com toda vida pela frente são obrigados a irem para uma guerra, contra as suas vontades e voltam para casa depois da guerra traumatizados.
Pobre dos familiares, mães, esposas de soldados que partiram para uma guerra, ficam preocupadas em suas casas escutando toda noticia do rádio sobre a guerra e o locutor do rádio fala assim:
Fontes do Ministério da Defesa britânico afirmaram que mataram 100 argentinos e que fizeram 1.400 prisioneiros”.
As baixas britânicas foram 12 mortos e 31 feridos, segundo essas fontes.”
A guerra acaba, os generais líderes dos países em guerra se abraçam e ficam os pobres e infelizes soldados mortos e agonizantes pelo chão ensanguentados.
Eu me pergunto para que serve a ONU (Organizações das Nações Unidas)?
No paraíso o povo falaria o que pensa, sem medo de repressões haveria abertura política total para todos sem distinção. Não seria como foi o Brasil de 64 até a década de 64 até a década de 70 onde o povo não podia criticar e nem falar mal do sistema de governo do nosso pais, que logo já era exilado e tirado para fora do Brasil.
E nosso pais o governo federal não se preocupa com a educação  do povo brasileiro, porque eles querem ver o povo ignorante , alienado dos problemas do pais.
70% do dinheiro do paraíso seria aplicado na educação não em armamentos como acontece no Brasil e no mundo.
A educação no Brasil é uma das piores do mundo. O governo oferece ao aluno carente que frequenta o 1º ou 2º grau, o estudo de graça quando aluno passa de um 2º grau fraco enfrenta o tabu vestibular, não conseguindo passar.
No Brasil é poucos que conseguem chegar a uma faculdade porque? Por culpa de quem isso acontece?
No paraíso o trabalhador não seria escravo do trabalho, como acontece em nosso pais e no mundo.
O trabalhador brasileiro trabalha demais e ganha pouco, não consegue vencer a inflação.
Nós vivemos num pais de regime capitalista onde todos pensam em ganhar dinheiro e ser mais rico que o vizinho do lado. Pois onde muitos nada tem e poucos tem demais.
No paraíso não haveria pobreza, assaltos como acontece nas grandes cidades onde as pessoas mais pobres tem que roubar,matar para dar o que  comer para seus filhos.
No paraíso não faltaria alimentos nas mesas dos brasileiros, os preços dos alimentos nunca subiriam pois não haveria custo de vida e inflação.
Brasileiros! Temos que lutar com muita garra para superarmos os problemas do Brasil e do mundo.”
Teremos que seguir o exemplo de Tiradentes e outros vultos históricos que lutaram e morreram pelo Brasil.
O jovem brasileiro tem que deixar de ser alienado e acomodado e de ver as multinacionais tomar conta do nosso pais e influir em nossa vida, nosso comportamento, tornando-os pouco a pouco instrumentos nas mãos dos Estados Unidos.
Só lutando poderemos construir o paraíso que sonhamos, fazer o Brasil e mundo melhor para os nossos filhos e netos viverem o amanhã mais tranquilos.
                   FIM

Nome: Paulo Roberto da Silva Furtado
  Auxiliar B
Concurso  Oratória